Sporting tomba em Guimarães depois de estar a vencer por três golos (3-3)

O Sporting cedeu um empate em Guimarães, esta tarde, quando nada o fazia prever. Os leões estiveram a vencer por três golos mas Marega e companhia consumaram uma reviravolta incrível.

Há duas épocas, na cidade-berço, começou o declínio na relação entre Marco Silva e Bruno de Carvalho. Uma derrota expressiva (3-0) levou o presidente do clube a criticar a equipa em público e, a partir daí, a relação entre treinador e presidente nunca mais fora a mesma. Na época passada, já com Jorge Jesus, no comando, o Sporting empatou no mesmo estádio e viria a perder a liderança do campeonato para o Benfica na semana seguinte, não voltando a recuperá-la. O D. Afonso Henriques trazia más recordações ao Sporting e era necessário quebrar o enguiço.

Imagem: Lusa

O jogo começou morno, equilibrado e sem grandes oportunidades de golo para qualquer um dos lados. Ainda assim, foi a equipa da casa a primeira a assustar. Um passe longo de Josué apanhou a defesa do Sporting em contrapé e Marega podia ter aproveitado essa distração, se não tivesse dominado mal a bola.

Os leões iam crescendo na partida e estiveram perto de marcar aos 27 minutos, por intermédio de Adrien, que apanhou a bola a meia-altura e rematou para uma boa intervenção de Douglas, que teve, neste lance, um dos poucos momentos de felicidade,na partida.

Dois minutos depois, surge o golo dos verde-e-brancos. A magia saiu dos pés de Gelson que, após rodopiar sobre um jogador vimaranense e passar por outro, rematou para a defesa de Douglas. Markovic, a grande novidade do onze de Jorge Jesus, apareceu para a recarga e inaugurou o marcador.

Até ao intervalo, a equipa visitante dominou claramente e teve tempo para ampliar a vantagem. Na sequência de um canto batido por Bryan Ruiz, Coates saltou mais do que toda a gente e bateu o guardião vimaranense.

De salientar, ainda na primeira parte, a lesão de Adrien, que teve de ser rendido por Elias.

A segunda parte começou como terminou a primeira. Os pupilos de Jorge Jesus comandavam a partida e estiveram perto de marcar em várias situações. A primeira oportunidade foi logo nos primeiros minutos por Markovic. Pouco depois, Schelotto fez um cruzamento-remate que deixou Bas Dost com um ataque de nervos e, a seguir, cruzou para um remate de Bryan Ruiz, ao lado. Apenas Elias teve sucesso em mais um cruzamento de Schelotto. Aos 70 minutos, o médio brasileiro recebeu a bola, mal intercetada pela defesa vimaranense, e fez mais um golo para os leões . Douglas ficou mal na fotografia.

Com 20 minutos para jogar e três golos de diferença no marcador, os adeptos sportinguistas já estariam a pensar numa surpresa do Feirense, frente ao Benfica, que lhes pudesse dar a liderança do campeonato antes da pausa de seleções. Contudo, o que aconteceu a seguir foi histórico.

Aos 73 minutos, William Carvalho, ao cometer uma grande penalidade sobre Hernâni, foi o espelho daquilo que seria a equipa leonina até ao final do jogo: uma equipa distraída, relaxada e desorganizada. Marega, que já tinha reclamado uma falta dentro da grande área cerca de dez minutos antes, converteu o penalty e deu um novo alento aos adeptos vimaranenses.

“Não é grave”, pensava William, Jorge Jesus e os adeptos nas bancadas, provavelmente. Não foi preciso mais de um minuto para o alarme suar. Marega, sempre ele, apareceu dentro da área para receber um cruzamento de João Aurélio e, com uma excelente finalização, fez explodir o D. Afonso Henriques.

O treinador leonino mostrava-se preocupado e não tardou em mexer, colocando Bruno César no lugar de Markovic. Não foi suficiente para voltar a mandar no jogo e, aos 89 minutos, o milagre estava consumado. Raphinha bateu um livre do lado direito e Soares empatou o jogo.

Até ao final, não houve tempo para mais do que tentativas desesperadas do Sporting em colocar a bola na frente. Era tarde. Esperam os adeptos sportinguistas que não seja tarde para o seu treinador tirar lições do que aconteceu.

Destaques: 

Gelson Martins – Teve uma exibição Jekyll & Hide. Na primeira parte, a sua irreverência foi preponderante para levar a equipa para a frente. O melhor momento do jogo saiu dos seus pés, quando passou por dois jogadores adversários antes de Markovic inaugurar o marcador. Esse momento podia ter sido o mote para uma noite calma da sua equipa. No segundo tempo, acabou por ir na maré de desorganização que reinava nos leões.

Moussa Marega – Sete golos em seis jogos fazem do maliano o melhor marcador do campeonato. Hoje foi o impulsionador da incrível reviravolta dos vimaranense com dois golos no espaço de um minuto. Tem sido feliz em Guimarães, depois de uma passagem fracassada pelo FC Porto.

Texto de Rafael Soares.

Anúncios