FC Porto 1 – 1 AS Roma: Batalha final marcada para Roma

Onze Inicial Futebol Clube do Porto: Casillas; Maxi Pereira, Marcano, Felipe, Alex Telles; Danilo, Hector Herrera, André André; Adrian López, André Silva, Otávio;

Onze Inicial AS Roma: Alison; Florenzi, Manolas, Vermaelen, Juan Jesus; Naingollan, De Rossi, Strootman; Salah, Dzeko, Perotti; 

As noites europeias regressaram ao Dragão. O Futebol Clube do Porto teve a “sorte” de defrontar a AS Roma no play-off de acesso à Liga dos Campeões e previa-se um jogo difícil para os dragões que iam receber um dos adversários mais fortes para esta fase da prova.

Os italianos entraram fortes e a pressionar o adversário desde o início da partida fazendo as suas operações no meio-campo do Futebol Clube do Porto. O lance de maior perigo dos primeiros 15′ minutos pertenceu à AS Roma e foi criado pelo guarda-redes dos dragões, Iker Casillas. O espanhol calculou mal a saída à bola e deixou a bola à mercê de Edin Dzeko que rematou à baliza. Alex Telles surgiu em cima da linha para evitar o golo dos giallorossi.

Casillas na expectativa de que alguém emendasse o seu erro. Imagem: Lusa

Casillas observa na expectativa de que alguém emendasse o seu erro. Imagem: Lusa

Havia um pressing constante por parte AS Roma e o golo chegou aos 21′, por intermédio de um auto-golo de Felipe, defesa-central do Porto. O jogador brasileiro a aliviar a bola para dentro das suas próprias redes, dando assim a vantagem à Roma. Os dragões ficavam a mãos com um golo marcado fora por parte da Roma o que pode ser prejudicial na eliminatória em solo italiano.

A Roma continuava a desequilibrar e a turma azul e branca precisava de acordar e foi Otávio a dar o “abanão” que o dragão precisava com iniciativas individuais que trocavam as voltas à defensiva romana. O Porto crescia no encontro e numa jogada onde seguia isolado para a baliza André Silva foi derrubado por Vermaelen. O central belga foi expulso por acumulação de amarelos e proporcionou a Luciano Spalletti uma dor de cabeça desagradável para o segundo tempo do encontro.

Uma vantagem por parte da AS Roma ao intervalo que se justifica pela intensidade imposta ao encontro por parte da equipa italiana perante o desacerto do Porto na defesa.

Começou a segunda parte e a equipa do Porto entrou de cara lavada no encontro. Decorridos cinco minutos e Adrian López introduz a bola na baliza adversária. Depois de conferenciar com os seus assistentes o árbitro decidiu anular o golo por posição irregular do avançado espanhol. O golo anulado acordou os dragões e de seguida André Silva e Otávio também criaram perigo para a baliza de Alisson.

A Roma via-se com dificuldades para controlar o caudal ofensivo portista e, aos 60′, depois de mão de Emerson Palmieri dentro da área, foi assinalado penálti para o Porto. André Silva bateu a grande penalidade forte e colocada ao ângulo superior direito da baliza defendida por Alisson. Os dragões voltavam a disputar o resultado e a sonhar com a vantagem.

Silva

E vão dois golos para o jovem ponta de lança neste época. Este foi o primeiro golo de André Silva na Liga dos Campeões.

A equipa de Nuno Espírito Santo encontrava-se muito perdulária, desperdiçando diversas oportunidades. Um dos momentos do jogo aconteceu já perto do apito final. Quando Nuno Espírito Santo se preparava para lançar Ruben Neves na partida, recuou na decisão e chamou Evandro. O médio azul e branco voltou ao banco inconsolável e em lágrimas.

O jogo terminou empatado 1-1 no final dos 90′ minutos. Resultado que se torna injusto pelo trabalho efectuado pelos dragões na segunda parte do encontro. Na próxima semana, o Futebol Clube do Porto vai ao Estádio Olímpico de Roma com esperanças de retirar aos giallorossi a vantagem que eles garantiram com o golo fora.

Destaque FC Porto:

Otávio: O extremo brasileiro mostrou-se muito activo nas acções realizadas pela equipa de Nuno Espírito Santo com o seu poder de explosão e criatividade. A defesa da Roma viu-se com problemas para segurar o jovem que promete explodir esta temporada.

Anúncios