Surpresa só para quem não viu! Vitória supera Benfica e chega à final

O Vitória Futebol Clube, com um triunfo com grande categoria sobre o Benfica, por 1-0, marcou encontro na final com o Deportivo da Corunha. Diogo Quita, defesa central da equipa, foi o herói improvável, ao marcar o único golo da partida, garantindo, assim, a presença na final do torneio.

Um jogo que primou pela etapa final da partida, com momentos de grande emoção, mas que contrastou com uma primeira parte cinzenta, em que o futebol ficou em segundo plano, estando as equipas mais preocupadas em não sofrer golos do que propriamente em marcar. Porém, o primeiro tempo teve uma grande demonstração de qualidade de Paulo Bernardo, do Benfica, e Fábio Alves, do Vitória, ao encherem o campo, com uma imensa entrega, intensidade e qualidade de jogo. Fábio Alves, o patrão do meio-campo sadino, ficou órfão do seu melhor parceiro, Rafael Gonçalves, que saiu lesionado no embate com o Pro Patria e foi obrigado a ver os seus companheiros desde a bancada, tendo jogado por dois.O nº14 do Vitória teve nos pés a melhor ocasião de golo do primeiro ao tempo, ao recuperar a bola ao último defesa do Benfica, já em cima do intervalo, mas o remate saiu por cima.

A segunda metade do encontro voltou a começar com um ritmo morno, talvez devido à  alta temperatura que se fazia sentir em Santa Eufémia.

Aos 42′, o momento do jogo: Diogo Quita, com um belo cabeceamento, desvia a bola com sucesso para o fundo da baliza defendida por Samuel Soares, levando as bancadas ao rubro.

Ainda faltavam pouco menos de 20 minutos para o apito final e esperava-se que o gigante de Lisboa fosse com tudo para cima dos sadinos, o que se verificou. A etapa complementar foi um autêntico vendaval de bolas despejadas para a área, desespero encarnado, com os jogadores a alinharem com muito mais coração do que cabeça. Rafael Neves saiu lesionado, mas Paulo Bernardo continuou a exibir-se a alta rotação, ao ser sempre o primeiro homem a levar a equipa para a frente, tendo ainda disposto de uma excelente oportunidade para empatar o encontro, mas o guardião sadino foi enorme, ao deter o remate do camisola  8 benfiquista.

O relógio continuava a contar e o cerco a apertar, mas, com um grande Diogo Quita e Michel em grande plano, a Vitória acabou mesmo por sorrir ao Setúbal. Num dos últimos lances, Michel fez a defesa do dia, ao travar de forma soberba o remate de João Batista, que levava selo de golo.

Terminava a partida e foi visível o desânimo nos rostos do pupilos encarnados, que eram unanimemente considerados os favoritos à conquista do troféu. Tal não aconteceu e muito se deveu a um grande Vitória, que foi um coletivo extremamente coeso e empreendedor.

Destaques Vitória:

Fábio Alves – Que exibição monstruosa do robusto médio do Vitória. Foi até ao limite, literalmente, tendo acabado por sair, no decorrer da segunda parte, com muitas queixas físicas. Chegou para todas as encomendas, enquanto as pilhas duraram. É um enorme destruidor de jogo, mas é também um exímio criador. Um médio muito completo que vale a pena, sem dúvida, continuar a seguir.

Michel – O guardião sadino nem teve muito trabalho até ao golo da sua equipa, mas, a partir daí, foi enorme. Incrível agilidade, revelando muita coragem nas saídas aos lances. Aquela defesa no último momento foi o culminar da sua grande exibição, ao demonstrar um grande instinto e capacidade de reação.

Destaques Benfica:

Paulo Bernardo – Mais uma grande prestação do jovem encarnado. Faz lembrar Kaká na maneira como consegue  fazer as suas receções orientadas, procurando sempre o melhor destino para a bola. É o marcador de bolas paradas  da sua equipa e, se há jogador que não merecia ficar afastado da final, na equipa encarnada, era ele. Belíssimo jogador.

Florentino Júnior – Que pulmão do nº6 benfiquista, que revelou uma destreza e qualidade na saída de bola incrível. Parecia elástico, por vezes, tal era a sua capacidade de recuperação de bola. Nos minutos finais, foi ele o principal impulsionador do emblema da Luz.

 

 

Anúncios