SPORTING 2 – 0 PORTO; SLIMANI RESOLVE

Clássico escaldante em Alvalade, com o regresso de Lopetegui aos duelos com Jorge Jesus para o campeonato. A um ponto do Porto, o Sporting entrou com as naturais despesas do jogo. Em casa, os leões começaram a tentar impor ritmo ao encontro, cedo se percebeu quais seriam os papeis táticos das duas equipas.

O Sporting tentava controlar sem comprometer a defesa. O Porto procurava a transição rápida para o ataque, na procura incessante de Brahimi, no jogo eletrizante de Corona, com a qualidade e domínio de Danilo Pereira no vértice mais recuado do meio-campo.

Slimani, lá na frente, não parava de correr. Sempre em jogo, o ponta-de-lança ajudava em tudo o que podia. E foi ele, depois de um livre de Jefferson na esquerda, a marcar o primeiro golo da partida. 27 minutos de jogo, com o Sporting a levar a melhor sobre o adversário.

Várias oportunidades do Porto foram rejeitadas por Rui Patrício. O guarda-redes do Sporting mostrou que está em grande forma, com uma mancha enorme sobre o remate do isolado Aboubakar. Os portistas vieram a perder gás até ao fim da primeira parte. Que acabou como começou: equilíbrio e resguardo, com alguma vantagem para os leões.

A posse de bola até ao início da segunda parte espelhava isso mesmo. E esta começou com um maior controlo de jogo do Sporting. Muito por causa da excelente exibição de Adrien Silva. O meio-campo do Sporting conseguiu conter o fôlego das arrancadas de Brahimi, com William Carvalho a fazer o necessário para manter a bola na zona mais lateral do jogo.

Foi aí que o jogo ficou resolvido. O livre que deu origem ao primeiro golo foi fruto de uma arrancada pelo lado esquerdo. O segundo golo, também marcado por Slimani, resultou de uma jogada rápida de Gelson, que deixou a bola para Bryan Ruiz, que oferece uma bola nas costas dos centrais para o argelino concretizar.

Mesmo com muita vontade de Corona e Brahimi, os dragões pouco faziam para inverter o rumo da partida. A partir do segundo golo do Sporting, o Porto não mais conseguiu criar real perigo para as redes de Rui Patrício. Nota final para Julen Lopetegui: apesar de ser uma alteração comum, fica por explicar a entrada de André Silva, retirando Aboubakar do campo. O treinador espanhol não fez alterações ao esquema tático, mesmo a perder em Alvalade.

 

DESTAQUES:

Slimani: o avançado argelino voltou, mais uma vez, a ser o herói dos leões. Jogou e fez jogar. Marcou os dois golos da equipa e lançou de novo a sua equipa para a liderança do campeonato. Grande jogo com muita entrega e qualidade.

Adrien: o médio português mostrou aquilo que já nos habituou. Jogo de grande esforço. Dá tranquilidade ao meio campo e encara cada lance como se fosse o último. Ficou perto do golo ao enviar uma bola ao poste.

Bryan Ruiz: um belo jogo coroada com uma excelente assistência para o segundo golo de Slimani. O seu toque de bola dá um belo perfume ao jogo da equipa, dando continuidade aos combates que Adrien vai ganhando pelo meio.

Naldo: depois de ser uma surpresa no onze, quando se pensava que seria Ewerton a jogar, o central respondeu à letra e resolveu tudo aquilo que tinha para resolver.

Lopetegui: depois de ser derrotado em casa frente ao Marítimo, esperava-se que a equipa viesse com outra motivação para este jogo, tendo em conta que se tratava do jogo que definiria o líder do campeonato. Uma vez mais o treinador basco não soube lidar com a pressão e não se sabe até que ponto os dias no clube não estarão contados.

Anúncios