Braga 0 x 2 Benfica; Exibição madura valeu triunfo importante; Pizzi voltou a estar em destaque

O Benfica bateu (0X2) o Sporting de Braga e garantiu três pontos muito importantes. Com esta vitória, os “encarnados” passam os “guerreiros” na tabela classificativa e continuam a oito pontos – menos um jogo – que o líder Sporting.

Onze Braga: Kritciuk; Baiano, Boly, Ricardo Ferreira e Djavan; Alan, Luiz Carlos, Mauro e Rafa; Stojiljkovic e Hassan

Onze Benfica: Júlio César; André Almeida, Jardel, Lisandro e Eliseu; Fejsa e Renato Sanches; Pizzi, Nico Gaitán e Gonçalo Guedes; Mitroglou.

A partida começou de forma electrizante. As duas equipas entraram com vontade de pressionar alto e forçar o erro do adversário, mas de forma diferente. Os “encarnados” apostaram numa pressão alta logo no meio-campo bracarense, obrigando a jogar mal – numa destas situações nasceu o primeiro golo do jogo. O Sp. Braga também apostou na pressão alta, mas quando lançou o ataque procurou, preferencialmente, a as costas da defesa benfiquista.

12322838_1041318532586280_1267391716823497861_o

Hassan colocou em sentido Júlio César com uma cabeçada ao poste.

O Benfica entrou a ganhar com o golo madrugador de Pizzi. Aos 3’, Mitroglou aguentou a pressão de dois defesas arsenalistas e de calcanhar, com classe, coloca a bola em Pizzi. O internacional português, com uma simulação de corpo, tira o defesa do caminho e remata para a baliza. Baiano, em cima da linha de golo, ainda consegue o corte, mas a bola vai às costas do guardião e acaba mesmo no fundo da baliza. Passados poucos minutos, aos 11’, os “encarnados” fazem o segundo. Num canto, de Pizzi, que parecia perdido, Jardel cabeceia para o centro da área, onde Lisandro domina de peito e remata rasteiro para a baliza. Até ao intervalo, as oportunidades surgiram para os dois lados, mas a mais flagrante pertenceu ao Braga. Aos 20’, num cruzamento da direita Hassan cabeceia ao poste e, na recarga, Rafa obriga Júlio César a uma enorme defesa. A partir daqui, o Benfica controlou mais a partida e não deixou os guerreiros chegarem, tantas vezes, à sua baliza. Nos últimos cinco minutos da primeira parte, as “águias” baixaram as suas linhas, tendo dificuldades em sair para o ataque, e o Braga começou a pressionar mais alto, chegando ao intervalo por cima do jogo.

Na segunda parte, os “arsenalistas” procuraram um golo que lançasse o jogo, enquanto as “águias” quiseram controlar a partida, sem nunca deixar de olhar para o ataque. As melhores oportunidades surgiram de bola parada, com cada a equipa a enviar uma bola à trave. O Sp. Braga teve mais bola e insistiu mais no ataque, mas sem conseguir criar muitas oportunidades de golo. O Benfica soube controlar a partida e conquistou os três pontos.

lisandro

Lisandro marca o segundo golo e fechou as contas do marcador. (Foto: Facebook Oficial do Sport Lisboa e Benfica.)

Destaques:

Pizzi – O melhor em campo. Esteve em todos os momentos do jogo e comandou as saídas para o ataque do Benfica. Quando defendia fechava ao meio e quando atacava abria na ala, destacando até mais que Gaitán.

Filipe Augusto – Entrou no decorrer da segunda parte e assumiu logo o centro de operações no meio-campo barcarense. Com uma qualidade acima da média, foi uma preocupação acrescida para a defensiva de Rui Vitória. Aos 68 minutos, através de um livre directo só o poste impediu um golo que, com toda a certeza, iria figurar nos melhores desta liga. Começa a pedir a titularidade….

Renato Sanches – Mais uma exibição a justificar a sua titularidade. Joga simples, não complica e oferece muito pulmão à equipa. Fez dupla com Fejsa e encheu o meio-campo. Não esteve tanto em destaque no plano ofensivo, porque teve a missão de condicionar Luiz Carlos, o primeiro a organizar o jogo ofensivo dos bracarenses.

Anúncios