Sporting vs Benfica; jogos de Taça são sinónimo de muitos golos

Amanhã joga-se um grande derby no Estádio de Alvalade, desta vez a contar para a Taça de Portugal. E isso significa muitos, muitos golos. Pelo menos é o que nos diz a história recente. O Box-to-Box foi rever os últimos três confrontos entre estas duas equipas para a “festa da Taça”. Lembra-se do azar de Miguel Garcia ao atirar o penalty decisivo à barra ou do super jogo de Djaló no 5-3 ao Benfica? Nós (re)lembramos.

Benfica 4-3 Sporting (2013/2014)
Tal como este ano, também em 2013/2014 Benfica e Sporting encontram-se na 4º eliminatória da Taça de Portugal. Nessa partida realizada no Estádio da Luz, os “encarnados” venceram (4-3) e acabariam por conquistar o troféu nessa época. O jogo, só resolvido no prolongamento, ficou marcado pelo “frango” de Rui Patrício.
O Benfica começou melhor a partida e, logo aos 11 minutos, abriu o marcador. Numa falta de Rojo sobre André Almeida, que resultou um livre à entrada da área, Cardozo disparou rasteiro e fez o primeiro do encontro (1-0).
O Sporting reagiu e, aos 36 minutos, restabeleceu a igualdade. Cruzamento tenso de Wilson Eduardo para o segundo poste em que aparece Capel, que de pé esquerdo, não dá hipóteses a Artur (1-1).
Logo de seguida, aos 41 minutos, Cardozo volta a marcar e a colocar o Benfica na frente. Arrancada de Enzo Perez que solta a bola na esquerda para Gaitán. O argentino vai à linha de fundo e centra para o segundo poste, onde o paraguaio de cabeça faz o 2-1.
Os “encarnados” estavam lançados no ataque e, aos 44 minutos, Tacuara completa o hat-trick. Gaitán transporta a bola até à entrada da área, deixando-a depois na esquerda em Rúben Amorim. O português cruza rasteiro e Cardozo num remate cruzado mete a bola na gaveta, não dando hipóteses a Rui Patrício (3-1). Com este resultado se chegou ao intervalo.

Na segunda parte, aos 62 minutos, Maurício reduz para os leões. Canto na esquerda de André Martins e o brasileiro salta mais alto que todos e faz o 3-2. O jogo foi mantendo-se equilibrado, com oportunidades para os dois lados. Até que já em tempo de compensação, aos 92 minutos, Slimani faz o empate. De uma falta de Ivan Cavaleiro sobre Montero resultou num livre lateral para os leões. Na esquerda, Adrien centrou para área, onde no segundo poste apareceu o argelino que de cabeça repôs a igualdade. Artur ainda toca na bola, mas não evita que ela entre nas suas redes (3-3). Com este resultado chegamos ao fim dos 90 minutos.

No prolongamento, aos 96 minutos, Luisão dá a vitória ao Benfica. Num lançamento longo, na esquerda, de Sílvio a bola bate no chão e chega ao segundo poste, em que o capitão dos “encarnados” já em desequilíbrio cabeceia para o golo. A bola vai com pouca força e passa entre as pernas do guardião leonino (4-3).

.

Sporting 5-3 Benfica (2007/2008)
Meia-final. Tanto Sporting como Benfica já tinham deixado FC Porto muito à frente na tabela classificativa. Restava a Taça para atenuar a má época desportiva, num dos jogos mais emocionantes (senão o mais emocionante) do novo século. As equipas lutaram até ao fim. O Benfica começou melhor mas o Sporting nos últimos 25 minutos dizimou os encarnados com 5(!) golos.
No Benfica valia a experiência e classe de Rui Costa. Aliás, foi o maestro a marcar o primeiro golo da partida, aos 19 minutos, após boa tabela com o novato Di Maria. O “10” apareceu isolado e rematou fazendo um túnel a Rui Patrício. O Benfica jogava melhor e trocava bem a bola. O segundo golo apareceu à meia hora de jogo: Rui Costa deu na esquerda para Leo, o lateral brasileiro cruzou a contar, a defesa do Sporting não conseguiu cortar e Nuno Gomes, ao segundo poste, desviou a bola para a baliza. 2-0. Foi com este resultado que as equipas foram descansar para os balneários. O que não se imaginava era o que vinha a seguir.
Na segunda parte, a equipa comandada por Paulo Bento, entrou forte e com vontade de virar o jogo. O primeiro grande lance de golo saiu do pé direito de João Moutinho, que num remate fora de área obrigou Quim para a defesa da noite. A entrada de Derlei (ex-Benfica) por Romagnoli deu também um novo ânimo aos leões. Aos 68 minutos, começou a eficácia sportinguista: Vukcevic tirou Petit da frente, cruzou de pé direito e Djaló, primeiro que Quim, encostou para o primeiro golo do Sporting. Passados 8 minutos, o empate. Após grande confusão no bico da área do Benfica, Moutinho ganhou a bola e de primeira puxou a bola para a zona de penalty onde Liedson estava sozinho. O avançado brasileiro chutou cruzado e fez o golo, sem hipótese para Quim. A cambalhota no marcador deu-se apenas três minutos depois, com um Benfica completamente desorganizado. Grande jogada coletiva do Sporting, da esquerda para a direita (Vukcevic, Liedson e Izmailov) e acabou no meio onde o “ninja” Derlei só teve de empurrar para o fundo da baliza. Alvalade tinha rebentado com tamanha jogatana dos leões. O Benfica, numa das poucas vezes que chegou à baliza do Sporting, devolveu o resultado em empate (3-3). Após uma jogada de combate pela bola à entrada da área, a redonda sobrou para Christian Rodriguez que com o pior pé chutou uma bomba. O Sporting mesmo assim estava melhor e queria mais. E isso percebeu-se passados apenas dois minutos: Djaló numa bela jogada individual, chutou a mais de 20 metros da baliza e marcou um grande golo. A bola ainda bateu em Luisão, mudou a trajetória e Quim nada poderia fazer. 4-3. O jogo terminou de vez no minuto 90 com o quinto do Sporting. Numa rápida jogada de contra-ataque e com as “águias” descompensadas defensivamente,  Miguel Veloso cruzou largo da direita e Simon Vukcevic, do lado contrário, chutou em volley e cruzado para selar uma das partidas mais emblemáticas dos últimos anos. Vitória justa de quem quis mais vencer!

.

Benfica 3- 3 Sporting; 7-6 após grandes penalidades (2004/2005)
Em jogo no Estádio da Luz, repleto de emoções de inicio ao fim, num dos derbies mais disputados, dava acesso aos quartos-de-final da Taça de Portugal de 2004/2005, um jogo com 6 golos e que só acabou por ser decidido pela lotaria dos penalties, mas vamos aos detalhes.
Na primeira parte esse jogo soberbo foi apimentado por dois lances de bola parada, marcados aos 3 minutos por Geovanni numa sobra do livre direto de Simão Sabrosa e Hugo Viana aos 15 minutos, num livre bem marcado apesar de falha aparente da barreira. Aos 17´ com Liedson ou “Levezinho” como era apelidado pelos adeptos leoninos, dá jus a alcunha e marca um golo cheio de oportunidade que lhe caracterizava, aproveitando para mudar o resultado do jogo. Este duraria pouco tempo pois aos 22´, Petit numa marcação de livre direto num remate seco, obrigaria Tiago a uma defesa de bombeiro, sobrando a bola para Geovanni que marcaria novamente, mas desta vez de cabeça numa bola muito complicada, que acabou no fundo das redes. Acabando por ser 22 minutos de vários golos e uma primeira parte repleta de emoções.
Na segunda parte a partida teve imensas oportunidades de parte a parte, acabando por ser “Levezinho” a ter a melhor oportunidade num remate com imenso perigo junto das redes do guardião benfiquista Quim, contribuindo para que o Benfica recorresse ao contra-ataque sem eficácia, guardando o desfecho do jogo para o prolongamento. O jogo também teve momentos de indisciplina, nomeadamente entre Pedro Barbosa e Luisão, tornando este Derby ainda mais escaldante.
No prolongamento o jogo iria levar a uma situação em que “o marcador de ritmo” leonino Hugo Viana, acabaria por ser expulso devido a uma alegada agressão sobre o “irreverente” João Pereira, que levantaria muitas dúvidas acerca da veridicidade da cor do cartão . A realidade é que aos 109′, Paíto numa arrancada incrível sobre a esquerda antes do meio-campo, passa por João Pereira, acabaria por fazer um túnel a Luisão e posteriormente remata de pé esquerdo para um golo para levar a loucura qualquer adepto de futebol. Aos 116´min Simão Saborosa a passe de Dos Santos, rematou cheio de ambição, a bola bateu na trave e entrou. 3-3. O Derby dos derbies acabaria por ir a penalties. A eficácia foi tremenda  e o azar embateu em Miguel Garcia que acertou na trave no penalty decisivo. O Benfica passou assim para a próxima eliminatória e o Sporting saiu derrotado, isto depois de um jogo impróprio para cardíacos e onde qualquer equipa poderia ter ganho.

 

 

Anúncios