RAIO-X: SPORTING DE BRAGA

Relembrar a época passada é relembrar, entre outros momentos capitais, a final da Taça de Portugal, que opôs o emblema bracarense ao seu homónimo de Lisboa. Os adeptos minhotos ainda têm o jogo bem vivo nas suas memórias. Foi sem dúvida uma derrota difícil de digerir. Sérgio Conceição foi considerado o principal culpado e recebeu guia de marcha. António Salvador não tolerou a maneira como o jogo foi perdido e juntando-se o fraco futebol que a equipa praticou durante a época, o presidente achou que estava na altura de se realizar uma mudança no comando técnico.

O escolhido foi Paulo Fonseca, que tem agora uma boa oportunidade para mostrar tudo aquilo que ficou em banho-maria aquando da sua (infeliz) passagem pelo FC Porto. O técnico vai querer provar que não consegue obter sucesso somente num clube com pouca pressão e grau de exigência como o Paços de Ferreira. Em Braga, estão reunidas todas as condições para executar o seu trabalho de forma exemplar.

Tendo em conta que se perspetiva um campeonato muito competitivo, como há muito não se via, na luta pelos três primeiros lugares entre Benfica, Porto e Sporting, o objetivo do Braga passa pelo 4º posto da tabela classificativa. Todavia, não vão descurar qualquer oportunidade para morder os calcanhares aos chamados ‘três grandes’.

As grandes penalidades ditaram a derrota da equipa bracarense, na final da Taça de Portugal.

 

PONTOS FORTES: A baliza e a defesa. Paulo Fonseca vai ter algumas (boas) dores de cabeça em relação à escolha para o nº1 entre os postes. Para já, parece ganhar vantagem o guardião russo, Stanislav Kritciuk. Contudo, Matheus não vai fazer a vida fácil ao seu concorrente direto e a Paulo Fonseca que tem à sua disposição dois belos guarda-redes. Em relação à defesa, o treinador conta com os mesmos elementos do ano passado, o que por si só é uma excelente notícia. O facto de terem sido a 3ª defesa menos batida do campeonato, apenas superada pela do FC Porto e Benfica, diz bastante sobre a competência defensiva que Paulo Fonseca tem ao seu dispor. Porém, a permanência de principalmente Aderlan Santos não é garantida, pelo que pode ser um forte revés.

PONTOS FRACOS: Ataque. Enquanto na defesa não se sucederam mexidas, no ataque não se pode dizer o mesmo, muito pelo contrário. Pardo, Zé Luís e Éder disseram adeus ao Estádio AXA e partiram rumo à Grécia, Rússia e Inglaterra, respetivamente. Entre eles, marcaram 35 golos. Eram as referências ofensivas da equipa e, até ver, as suas ausências ainda não foram preenchidas. Foram contratados William Pottker, Rodrigo Pinho, Crislan Sousa, Nikola Stojiljković e Rui Fonte. Todos estes jogadores representam apostas de risco e sem se saber o que realmente podem acrescentar à equipa. Rui Fonte é o mais conhecido (se não o único) do público português e o seu passado é repleto de lesões. Pedro Santos, Alan, Erick Moreno e Fábio Martins transitam de épocas anteriores, sendo que este último pode vir a ser uma bela surpresa na Primeira Liga.

Rui Fonte vem por empréstimo do Benfica.

PILAR: Aderlan Santos. Como referimos acima, a equipa bracarense foi a 3ª menos batida do campeonato português. O esteio da defesa é, sem dúvida, o central brasileiro, que, na época passada, formou uma autêntica muralha com o seu parceiro de setor, André Pinto. Embora a sua permanência esteja longe de ser um dado adquirido, visto que o jogador tem sido alvo de forte assédio por parte de vários emblemas estrangeiros, a concretizar-se será uma excelente notícia. Não só é um muro, um líder no eixo defensivo, e mesmo da própria equipa, como ainda revela dotes de goleador pouco habituais para um defesa central, tendo festejado por cinco vez, na época passada.

ESTRELA: Rafa. Carinhosamente apelidado de Hazard português, visto que apresenta algumas características semelhantes às do belga do Chelsea, o jogador, natural de Vila Franca de Xira, parte para a 3ª época em Braga. Espera-se que este seja o ano de afirmação do já internacional português, de 22 anos. Na última época, não foi tão preponderante quanto se esperava, fruto de algumas lesões que consequentemente levaram a exibições intermitentes, mas o talento está todo lá. Se comprovar todo o seu potencial, os adeptos bracarenses bem se podem preparar para se despedir do jovem criativo.

JOKER: Fábio Martins. O luso-brasileiro tem o ritmo do samba a correr-lhe no sangue e isso transparece na sua maneira de jogar. Desconcertante, virtuoso, imprevisível e dono de uma técnica bastante acima da média, o extremo formado no FC Porto reúne todos os ingredientes para se destacar e se tornar figura de proa e quiçá piscar o olho ao selecionador nacional, Fernando Santos. Felipe Pardo transferiu-se para o Olympiakos de Marco Silva, e pese embora Fábio seja um jogador de características muito distintas do colombiano, pode revelar-se uma boa alternativa. No ano passado, alinhou quase na totalidade na equipa ‘B’, atuando em 41 jogos, nos quais marcou 13 golos. Pela equipa principal, jogou apenas em 2 ocasiões, mas foi o suficiente para deixar água na boca, tendo inclusivé marcado um golo. A reter.

CONTRATAÇÃO: Joan Ángel Román. Começou a despontar no Espanyol de Barcelona, que com a sua qualidade suscitou o interesse do Manchester City, que não hesitou e resgatou o jogador para as suas fileiras. Em Inglaterra, não alinhou em nenhuma partida, durante os 3 anos que lá esteve. Decidiu regressar à Catalunha, mas, desta feita, para ingressar no rival do clube onde se formou, o Barcelona. Atuou sempre na equipa secundária dos atuais detentores da Liga dos Campeões e campeões da Liga BBVA. Pelo meio, ainda teve uma passagem, sem grande sucesso, pelo Villarreal. Atualmente com 22 anos, o espanhol estava tapado, em Barcelona, pelas estrelas que brilham em Camp Nou, pelo que viu com bons olhos uma mudança para Braga. Nas suas costas vai estar o nº10 e o peso que da camisola advém, pelas primeiras impressões que tivemos na pré-época, não parece fazer diferença ao jovem. Juntamente com Fábio Martins e Rafa, são três jovens jogadores de grande valor e cabe agora a Paulo Fonseca maximizar todo o potencial dos jogadores.

Joan Ángel Román não ficou indiferente ao esplendor do Estádio AXA.

TREINADOR: Paulo Fonseca. O técnico tem, em Braga, a hipótese de mostrar que a sua passagem pelo FC Porto não reflete o seu real valor (quem sabe se não faria melhor que Lopetegui na época anterior). Tem a missão de substituir Sérgio Conceição que não conseguiu colocar a equipa a jogar de forma atrativa, pelo que esse será um dos requisitos do presidente, António Salvador. Ah, e não perder jogos como naquela fatídica final da Taça de Portugal. Não deve ser difícil, apostamos nós. Contudo, o plantel deste ano aparenta estar mais pobre (saíram alguns jogadores fundamentais da época passada), mas o mercado ainda não fechou e tudo pode acontecer nesta entusiasmante janela de transferências, que tanto tem dado que falar.

Anúncios