RAIO-X: Moreirense

O ano passado, por esta mesma altura, escrevíamos que o Moreirense havia acabado de subir à Primeira Liga e que, o mais provável, era conseguir um lugar tranquilo na tabela classificativa. Não só conseguiu manter-se na Primeira Liga, como ainda conseguiu um relaxado 11º lugar, a salvo de qualquer tipo de aflição tão própria dos clubes à beira da descida. A equipa de Moreira de Cónegos já tem a receita para conseguir manter o nível exibicional da época anterior, mas, à partida, faltam ingredientes (ou de igual qualidade, pelo menos) para Miguel Leal conseguir proporcionar um banquete digno do ano transato.

No entanto, a manutenção deverá ser conseguida. Não com tanto fôlego como na época que findou, mas com relativa facilidade. Ainda assim, tendo em conta o que foi conseguido, podia esperar-se que a equipa partisse em busca de outros objetivos. Contudo, os responsáveis do clube parecem apostar num modelo que lhes permita, única e exclusivamente, permanecer na principal divisão do futebol português.

O Moreirense ficou a apenas 5 pontos do sexto classificado, Belenenses.

PONTOS FORTES: Vários jogadores experientes. No plantel da equipa de Moreira de Cónegos, encontram-se vários futebolistas com largos anos a jogar nas principais divisões portuguesas. Dito isto, o melhor exemplo para o que foi referenciado é Nilton. O veterano brasileiro, de 39 anos, regressa a Portugal após 3 épocas no Irão, para onde se transferiu do Vitória de Guimarães, sendo sempre titular durante 7 épocas; André Marques e Evaldo passaram ambos pelo Sporting; Danielson é um experiente defesa de 34 anos; Ramón Cardozo, Vítor Gomes, Filipe Gonçalves, Rafa Sousa e Igor Stefanovic são todos jogadores com grande cartel no futebol português. Esta experiência e profundo conhecimento do país, permitirá ao Moreirense lidar com todas as adversidades que possam surgir ao longo da época.

PONTOS FRACOS: 7 titulares da época passada mudaram de ares. A equipa perdeu mais de metade da equipa titular de 2014/2015. Foram jogadores importantíssimos para o esquema tático montado por Miguel Leal. João Pedro vai prosseguir a carreira no Chipre; Gerso regressou ao Estoril; André Simões, que marcou a época passada, transferiu-se para os gregos do AEK de Atenas; Marafona, que já foi convocado por Fernando Santos, mudou-se para Paços de Ferreira; Rodrigo Battaglia terminou o empréstimo e regressou ao SC Braga; Paulinho foi transferido para o recém-promovido União da Madeira; Arsénio foi experimentar o campeonato búlgaro. Todos estes jogadores foram fundamentais e resta agora tentar suprir as suas ausências. Até ver, está a ser complicado de conseguir, havendo ainda uma grande brecha no plantel do Moreirense, em particular o ataque (em 9 jogadores, apenas 3 têm mais de 20 anos). A janela de transferências ainda está aberta. Vai ser curioso ver se o Moreirense se vai movimentar no frenético mercado e se vai conseguir algum negócio interessante.

A maior figura da época passada, André Simões, a ser apresentado no seu novo clube, AEK de Atenas

PILAR: Vítor Gomes. Já no ano passado escrevemos que seria ele o pilar e, este ano, não muda. Começou a época no Moreirense, mas mudou-se, em janeiro, para os turcos do Balikesirspor. Retornou a casa e será ele o patrão do meio-campo. Não terá ao lado André Simões, mas foi contratado Rafa Sousa, que poderá ser uma boa opção. O jogador, formado no Rio Ave, já tem muitos anos ao mais alto nível. No currículo apresenta passagens pelo campeonato italiano, húngaro e turco. Será uma grande mais-valia se conseguir apresentar todo o seu futebol, que, em tempos, o tornou muito cobiçado por alguns emblemas de maior dimensão.

ESTRELA: Ramón Cardozo. O apelido está lá, a qualidade não tanto. Mas nem por isso deixa de ser um jogador extremamente importante para Miguel Leal. Fez o gosto ao pé em sete ocasiões, na época passada, e é um jogador de referência no ataque. Não terá, este ano, os seus fiéis parceiros João Pedro e Gerso, mas não faltam pretendentes sedentos de se exibirem na montra da Primeira Liga. Forte no jogo aéreo e no contato físico, espera-se que seja o porta-estandarte desta equipa.

Ramón Cardozo tem tudo para ser o homem-golo.

JOKER: Luís Carlos. Para fazer companhia a Ramón Cardozo, chegou o brasileiro, de 28 anos, Luís Carlos. Já conta com uma passagem por Portugal, ao serviço do Gil Vicente. Em 2010/2011, foi extremamente fundamental na subida de divisão do clube de Barcelos. Nos últimos três anos esteve na Polónia. É um jogador de baixo porte físico, com apenas 1,70m, o que pode fazer dele o jogador ideal para apoiar o paraguaio Ramón Cardozo. Apesar da altura, é um jogador entroncado e forte no choque.

CONTRATAÇÃO: João Vieira. Se o Desportivo de Chaves esteve à beira de subir de divisão, muito se deve à prestação que o avançado, de 23 anos, exibiu. Natural de Leiria, encontrou o caminho para o golo por dez vezes , tendo marcado 36 golos nos dois últimos anos. É um jogador veloz com 1,89m, mas tecnicista, e que é visto como o substituto natural de João Pedro. Os dirigentes do Moreirense esperam que o jogador se torne numa das agradáveis surpresas do campeonato.

MISTER: Miguel Leal. António Miguel Nunes Ferraz Leal de Araújo: um nome grande para um grande treinador. Há dois anos, colocou o Penafiel na Primeira Liga, mas preferiu o desafio do também promovido nesse ano, Moreirense. Enquanto o Penafiel voltou para onde tinha vindo, o técnico colocou a equipa a praticar bom futebol e manteve-se distante dos problemas da linha de água. É um treinador que, apesar dos 50 anos, parte apenas para a quarta época como treinador principal. No entanto, tem deixado excelentes indicações, e Moreira de Cónegos começa a tornar-se pequeno para o técnico natural de Marco de Canavezes.

Anúncios