RAIO X: ESTORIL

A saída de Marco Silva do comando técnico e a perda de jogadores importantes, fazia adivinhar uma época difícil para o Estoril em 2014/2015. E foi isso mesmo que acabou por acontecer. A temporada anterior iniciou-se com José Couceiro à frente do leme e acabou com Fabiano, sendo que a manutenção só foi assegurada já o campeonato caminhava para o fim. Em 2015/2016, o brasileiro mantêm-se como treinador, e o principal objectivo é assegurar, o mais rápido possível, a manutenção e realizar uma Liga mais tranquila que a anterior.

Estoril PraiaFinal

PONTOS FORTES: O setor intermédio é, até ao momento, o ponto mais forte da equipa da linha. Diogo Amado e Babanco são jogadores que já jogam há muito tempo no campeonato português e que oferecem experiência e qualidade a um conjunto ainda em construção. O jovem Anderson Esiti, e a chegada de Bruno César, dão ainda mais qualidade a um setor que está claramente melhor que os restantes.

PONTOS FRACOS: Falta um goleador. Quando olhamos para a zona mais avançada dos canarinhos, vemos que não há um matador, um jogador de área. No ano passado, Kleber desempenhou essa função, fazendo 8 golos no campeonato e 12 em todas as competições. Esta temporada, o Estoril já conta com Sebá e Bruno César para as alas, mas necessita de um verdadeiro 9 para poder corresponder aos cruzamentos dos dois brasileiros.

Nos festejos de um golo de Sebá.

Nos festejos de um golo de Sebá.

PILAR: Yohan Tavares. O português é o patrão da defesa e já vai para a sua quarta época no clube. É um defesa-central mas que também pode desempenhar a função de médio mais defensivo, em caso de emergência. Com 1,88 metros, tem um bom jogo posicional e aéreo. Apesar de ainda nem ter entrado na casa dos 30, já conta com muita experiência, principalmente em Portugal – teve uma passagem pelo Standard Liège, mas não foi bem-sucedida. A permanência não é uma certeza, visto ser um jogador com mercado.

ESTRELA: Sebá. O avançado brasileiro é o jogador mais fantasista e que mais se destaca no Estoril. A velocidade e drible fácil fazem com que seja sempre uma lança apontada às equipas adversárias. A posição preferencial é junto à linha, mas também pode desempenhar funções de avançado-centro, como jogador mais adiantado. Aliás, o brasileiro tem sempre a baliza na mira e gosta de fazer golos – em 2013/2014 faturou por 8 ocasiões, e na época seguinte por 5.

JOKER: Anderson Esiti. O médio defensivo foi a grande surpresa da equipa o ano passado. Na época de estreia na Primeira Liga, o nigeriano impôs-se com facilidade e tornou-se um jogador imprescindível, tanto na manobra defensiva como ofensiva. É muito parecido com William Carvalho e Danilo Pereira. É alto, forte fisicamente e sabe preencher bem o meio-campo. Quando melhorar a qualidade de passe e a forma de sair a jogar, vai tornar-se um caso sério no campeonato.

O médio já foi associado a Sporting e Sporting de Braga.

O médio já foi associado ao Sporting e Sporting de Braga.

CONTRATAÇÃO: Bruno César . O regresso do “chuta-chuta” a Portugal foi uma das surpresas do mercado. Saiu do Benfica em 2012/2013 rumo à Arábia Saudita , passando ainda pelo Palmeiras por empréstimo. No Estoril vai ser a estrela da equipa e dar muita qualidade ao ataque. A velocidade, a meia-distância e o pé esquerdo são os pontos mais fortes. Além disso, pode desempenhar qualquer função do meio-campo ofensivo – pode atuar nas duas alas e também no centro como 10.

MISTER: Fabiano Soares. O treinador brasileiro teve a primeira experiência como treinador principal ao mais alto nível no ano passado, quando substituiu José Couceiro no banco. Esta permanência é um sinal de confiança por parte da direção, e uma boa oportunidade para Fabiano demonstrar toda a qualidade. No currículo, para além dos anos em que foi adjunto no Estoril, conta com passagens por equipas espanholas de Ligas inferiores.

Anúncios