Quando se troca de lado na segunda circular

A semana passada foi histórica no futebol português. Jorge Jesus, bicampeão pelo Benfica, trocou os encarnados pelos leões e deixou a nação vermelha de boca aberta. Uma das grandes dúvidas do momento é se o ataque leonino ao eterno rival se fica pelo treinador ou se algum jogador ou dirigente seguirá o mesmo caminho. O Box-to-Box decidiu relembrar alguns casos, de jogadores e treinadores, que trocaram directamente de lado na segunda circular.

Arthur John: JJ é o décimo técnico a juntar Benfica e Sporting no seu currículo, mas é apenas o segundo a trocar diretamente os rivais. O único caso semelhante remonta a 1931 e o protagonista é Arthur John. Na altura, o inglês era treinador dos encarnados e depois de conquistar duas Taças de Portugal consecutivas, denominado Campeonato de Portugal na época e prova nacional mais importante, saiu e assinou pelos leões. Nos verdes e branco permaneceu até 1933 e não conseguiu conquistar qualquer troféu.

Benfica vs Sporting

Paulo Sousa e Pacheco: Corria o ano de 1993, quando o Sporting decide desferir um raíde na Luz e levar, de uma só vez, Paulo Sousa e Pacheco. A operação, que ficou conhecida como o “verão quente de 93”, incluía também João Pinto e Rui Costa, mas nesse aspeto não foi bem-sucedida. Vamos então contextualizar a história. Na temporada de 1992/1993, Futre tinha tudo acertado com a direcção leonina para regressar ao clube que o formou. Aliás, o presidente da altura, Sousa Cintra, chegou mesmo a fazer esse anúncio. Contudo, numa reviravolta de última hora, o internacional português assina pelo Benfica, mesmo com o clube a atravessar uma grave crise financeira. E foi mesmo esta má situação financeira que possibilitou que o seu rival leonino fosse lá buscar os dois jogadores. Ambos alegaram salários em atraso e rescindiram assim contrato, transferindo-se para os leões. Se olharmos esta mudança só pelo número de títulos, podemos considerar que foi uma má escolha. Paulo Sousa nos encarnados conquistou um Campeonato e uma Taça de Portugal, enquanto no Sporting não ganhou nenhum troféu. Pacheco conquistou na Luz dois campeonatos, uma Taça de Portugal e uma Supertaça Cândido de Oliveira. Em Alvalade, arrecadou uma Taça de Portugal nos dois anos em que representou o clube.

Paulo Sousa e Pacheco protagonizaram uma transferências mais polémicas do futebol português

Paulo Sousa e Pacheco protagonizaram uma das transferências mais polémicas do futebol português

João Vieira Pinto: A história de João Pinto é diferente das outras, mas trata-se também de uma troca direta. O “menino de ouro” era a estrela da equipa encarnada e adorado por toda a massa associativa. Contudo, em 2000, um desentendimento com o presidente João Vale Azevedo leva a que o internacional português rescinda contrato, tornando-se assim num jogador livre para assinar por qualquer clube. Depois de já ter tentado a sua contratação em 1993, o Sporting consegue convencer João Pinto a mudar-se para o lado oposto da segunda circular. Nos anos em que vestiu de verde e branco fez uma dupla inesquecível e de muito sucesso com Mário Jardel. Quanto a número de troféus, no Benfica venceu um campeonato e duas Taças de Portugal, enquanto nos leões ganhou um campeonato, uma Taça e uma Supertaça, tudo no mesmo ano (2001/2002).

João Pinto ganhou todas provas nacionais pelo Sporting

João Pinto ganhou todas provas nacionais pelo Sporting

Anúncios