Opinião: Cristiano Ronaldo – Um jogador do outro mundo

A época de Cristiano Ronaldo terminou este fim-de-semana e com mais três tentos frente ao Getafe. Apesar dos objectivos colectivos não terem sido alcançados, o internacional português voltou a ser o principal artilheiro do campeonato espanhol e da Europa, e realizou uma temporada ao nível a que nos habituou.

Quando olho para CR7 vejo que não é o mesmo jogador que era quando actuava no Manchester United. A técnica continua lá, só que é demonstrada de forma diferente. Em Inglaterra, Ronaldo dizimava os seus rivais através das suas fintas e dos seus túneis. Era um jogador mais imprevisível e fantasista. Hoje em dia, é um jogador mais pesado, devido à massa muscular que ganhou, joga para a equipa e tornou-se numa máquina de fazer golos. E que máquina! “Sufoca” os seus adversários com golos e mais golos.

Este ano, só no campeonato, facturou por 48 ocasiões em 35 jogos. Puxou dos galões e bateu o seu recorde pessoal, tornando-se no primeiro jogador a conquistar quatro botas de ouro. Sejam pokers, hat-tricks, ou só um golo. Seja de cabeça, de pontapé de bicicleta ou através do seu pontapé-canhão, o estranho é quando o madeirense não marca numa partida. Na Liga espanhola já matou todos os borregos, desde o Barcelona até ao lanterna vermelha, todas as equipas foram vítimas do português. E se pensarmos que nem sequer é ponta-de-lança ainda mais valor damos a estes números. Costuma dizer-se no futebol que “quem não marca, sofre”, e contra Ronaldo esta frase encaixa na perfeição.

Na Liga dos Campeões deste ano, Ronaldo marcou 10 golos.

Na Liga dos Campeões deste ano, Ronaldo marcou 10 golos.

Para além da veia goleadora, o internacional português destaca-se também pelas assistências. Os seus passes são meio golo e a forma como trata a redondinha faz as delícias de qualquer amante do futebol. Com os pés ou com a cabeça coloca a bola onde quer, até no buraco de uma agulha.

A aliar a estas qualidades futebolísticas há outro aspecto que o distingue de todos os outros: a sua personalidade. A forma como encara e disputa cada lance do jogo são exemplares. Não é aquele tipo de jogador de ficar a chorar, ou de mergulhar ou tentar cavar faltas. Luta sempre até ao último minuto e não dá nenhuma jogada como perdida. Muito do seu sucesso advém desta sua atitude e da fome insaciável de ser sempre o melhor.

Sinceramente, já me começam a faltar palavras para descrever Cristiano Ronaldo. Conquistou um lugar na história do futebol mundial e vai ser sempre lembrado com um dos melhores de todos os tempos. Se há equipas que têm no público o seu 12º jogador, o Real Madrid pode gabar-se de jogar com 12 jogadores sempre que CR7 alinha.

Anúncios