Argentina fraca escapa perante Bósnia bem organizada mas pouco agressiva

Argentina e Bósnia Herzegovina enfrentaram-se naquele que foi o primeiro jogo no Maracanã neste Mundial.
Entrou melhor a equipa a Argentina que logo aos 3 minutos conseguiu o primeiro. Infelicidade de Kolasinac que colocou a bola na própria baliza após desvio de Marcos Rojo.
Parecia embalada a seleção das pampas para uma grande exibição o que não se confirmou.
A equipa que tem Lionel Messi como estrela maior deixou que a Bósnia pegasse no jogo, e por várias vezes a seleção dos balcãs chegou mesmo a assustar. A situação de maior perigo aconteceu aos 41 com Lulic a obrigar Sergio Romero a uma defesa apertada.
Na segunda parte Alejandro Sabella mudou o sistema que apresentou de inicio mas as melhorias na equipa não foram muitas. Continuava melhor a Bósnia que apresentava um meio campo muito trabalhador.
Já se sabe que quem tem Leo Messi arrisca-se a ganhar. La pulga, que andou desaparecido praticamente o jogo todo, (exeção feita na marcação do livre que originou o 1º golo) pegou na bola ao minuto 65 e só parou quando a colocou no canto inferior da baliza defendia por Begovic, sem qualquer hipótese de defesa para o guardião.
Com este golo a Bósnia pareceu entregar o jogo, mas ainda foi a tempo de reduzir a desvantagem aos 84 minutos, por Ibisevic que fez a bola passar por entre as pernas de Sergio Romero.
A equipa das pampas entra a vencer no mundial, segue-se agora o Irão.

@FIFA.COM

@FIFA.COM

Box-to-box: Alejandro Sabella a surpreender ao apresentar um esquema de três centrais (Fernandez, Garay e Campagnaro) numa tentativa de dar maior liberdade atancante aos laterais Zabaleta e Rojo.
Foi o lateral esquerdo que se evidenciou mais e que fez o desvio no livre que deu origem ao autogolo de Kolasinac logo aos 3 minutos.
A partir daí foi a bósnia a definir o ritmo de jogo com Misimovic e Pjanic a tomarem as rédeas da partida.
Com a bósnia assumir as despesas do jogo a partir daí, Sergio Romero, foi segurando a vantagem com uma série de boas intervenções como aquela que proporcionou ao minuto 41.
Kun Aguero e Di Maria eram os dois elementos mais insatisfeitos com o resultado e mostraram-se sempre mais rápidos que os restantes companheiros.
La pulga, Leo Messi, esse andou desaparecido praticamente todo o encontro, nas duas vezes que apareceu a seleção argentina acabou por marcar.
Do lado da seleção balcã, a estrela Edin Dzeko pouco ou nada fez. O avançado esteve sempre desligado do jogo. Teram sentido a falta do avançado os companheiros de equipa mas sobretudo os adeptos.
A bósnia sai derrotada da partida mas fica a sensação de que com um pouco mais de agressividade porderá chegar longe nesta competição.

Anúncios